amores expresos, blog do ANTÔNIO

Thursday, February 21, 2008

Crônico

(publicado no Guia do Estadão)

O mundo não é sincrônico. Se fosse, como explicar que, nos últimos anos, as escovas de dentes tenham se transformado em algo próximo às naves de Star Wars, enquanto os botijões de gás continuam os mesmos desde muito antes de o homem pisar na lua?
Os extintores de incêndio, as BICs e os cinzeiros que ficam perto do elevador (tanto o cilíndrico quando o quadradinho, com areia), também são herança de outra era, em que uma coisa era uma coisa, outra coisa era outra coisa e todas as coisas continuavam a mesma coisa por pelo menos algum tempo.
Tenho uma simpatia por esses velhuscos. São como aquele japonês encontrado numa ilhota, muitos anos depois de finda a Segunda Guerra, que se recusava a aceitar a rendição do imperador Hiroito. Mas, se o soldado desinformado apareceu em jornais do mundo todo assustado, com uns olhos arregalados de mangá, os cinzeiros, botijões e BICs me parecem ostentar um orgulho nobiliárquico. Como se a BIC, do alto de seu sangue azul, dissesse às escovas, celulares e aparelhos de som: vocês podem estar sob os holofotes, mas passarão e não deixarão memória, enquanto eu continuo aqui, simples e longeva, como as amebas, as bactérias.
Meu apego pela permanência dos objetos não é só estética, mas de ordem prática. Lá pelos vinte anos, meu bisavô entrou numa loja de sapatos e comprou um par. Gostou tanto que voltou à sapataria nas próximas cinco décadas. Foi enterrado com aqueles sapatos.
Faz dois anos, comprei umas cuecas. (Desculpem-me a informação, assim, mundana -- nós nem nos conhecemos --, mas encontrar a cueca ideal é um dos pequenos prazeres da vida e a literatura – oh, a literatura! – não pode dobrar-se ao pudor). Mês passado fui à mesma loja, decidido a refazer o estoque e descobri que não existiam mais. “A cada ano o fabricante muda a coleção, senhor”. Até as cuecas?!
Sabem, eu gosto do mundo. E das coisas dentro do mundo. Apego-me a elas como a um livro, uma praia, uma música. Não quero que otimizem Cem Anos de Solidão, redesenhem Copacabana, remixem Blackbird. Ah, eficiência! Quanta beleza ainda tombará em seu nome?
Os fins não justificam os meios. Os fins, aliás, não existem: só os meios. Afinal: eu, você, os japoneses, as escovas de dentes, os botijões, as BICs e o Bispo de Botucatu voltaremos ao pó de que viemos, provando que, no fim das contas, o mundo talvez seja sincrônico. Eu, definitivamente, é que sou anacrônico.

40 Comments:

Blogger Manuel Rolim said...

O que eu mais sinto falta são os tênis de futebol de salão (futsal não é um nome que transmita a grandeza deste esporte). Aqueles, de pano branco, da Penalty, que duravam anos... Os de hoje em dia são piores até que um Kichute (rest in peace).

February 21, 2008 at 10:53 AM  
Blogger helena leão said...

ótimo texto...me fez lembrar de um amigo que dizia que os fabricantes de caneta bic (e do isqueiro também), passavam um produto que fazia com que de uma hora pra outra eles se desintegrassem...porque ninguém acha uma caneta bic, mas todo mundo perde...

February 21, 2008 at 4:00 PM  
Blogger juliana said...

ah!, bons tempos em que achávamos aquelas pastilhas da Turma da Mônica... Meu antigo vício. Coisas que não são mais fabricadas, por motivos que nunca saberemos, têm lá sua beleza eterna :)

e viva a eterna BIC! \o/

February 21, 2008 at 5:02 PM  
Blogger =/ said...

Olá... Voltei! Hehehe... ^^" Ótimo texto, como sempre. Tem também o universo paralelo das canetas bic/guarda-chuvas. A simplicidade pare ser o que mais chama atençao, as vezes, nao é? Por mais criativas que sejam as escovas de dentes e as decorações de festas, elas sempre terminam no lixo (o que é uma pena). Já as canetas bic, com sua forma sem-graça e sem maiores detalhes, não. Ela sempre termina no seu universo paralelo.

Qual é! Qual foi a última vez q vc colocou uma caneta no lixo? Elas sempre somem antes... =/

February 21, 2008 at 5:47 PM  
Blogger Ane Talita said...

Eu adoro essas "velharias"...Sou uma jovem nostálgica...E o que é pior, saudosa de tempos que nem vivi...

February 22, 2008 at 3:28 AM  
Blogger |Thamires said...

eu adoro essas velharias!
eu devia ter nascido lá pelos anos 50!

February 22, 2008 at 9:44 AM  
Blogger Lo. said...

Maior verdade que eu li em fevereiro!
E eu venho aqui desde que eu vi por aí nesse mundo cibernético o texto "O Salto", o qual eu leio quantas vezes posso, rs.

E eu queria Lego de volta... :)

February 23, 2008 at 12:42 PM  
Blogger Bel Keppler said...

muito bom!
continuo acompanhando o blog sempre.
aquele livro seu já foi lançado? estou por fora.
beijos!

February 24, 2008 at 10:42 AM  
Blogger Karen Lima said...

adorei, sobre as canetas bic: elas com certeza serão imortalizadas, quem nunca teve uma?
eu sempre compro! ^^
amo todos os seus textos me transmitem vários sentimentos e me leva a uma certa nostalgia como este!
adoro!
beijos,t+

February 24, 2008 at 12:58 PM  
Blogger Lidi said...

oh! as canetas bic!
Acho que essas não saem da cabeça de ninguem! E qualquer dia desses, essas milhoes de canetas que misteriosamente sumiram reaparecerão e nos controlarão!

... e ah, as coisas mais simples são as que mais nos surpreendem, né?! essa tecnologia deixou tudo muito sem graça! Mas não deixo de lado meu computador, mp3, celular...

February 25, 2008 at 4:11 AM  
Blogger Gabriela said...

Caneta Bic nunca nos deixam na mão...

February 25, 2008 at 4:52 AM  
Blogger Radical said...

This comment has been removed by the author.

February 25, 2008 at 2:10 PM  
Blogger Radical said...

A pergunta que não quer calar, os isqueiros e canetas bic resistirão ao
boom da economia chinesa? Ou, tecnicamente, ao dumpimg chinês?

Será que no futuro todos os objetos serão uma interpretação chinesa de antigos objetos do ocidente?

Abçs magros.

February 25, 2008 at 2:11 PM  
Blogger Kcah said...

Tente usar samba canção. Para outros aspectos, a bic sempre servirá e as escovas de dentes agora limpam a língua, olha que glória, e temos que vender o rim para comprá-las. Certas coisas têm a ver com o bem estar, outras coisas são mera putaria, claro. Têm um curta-metragem interessante/engraçado sobre isso, você ia rir muito, "A alma do negócio", se tiver tempo, procure no youtube.
Lembre-se, samba canção!

February 25, 2008 at 4:22 PM  
Blogger ˙·٠••●ą мσçą dą ﻝąиєℓą • said...

Mais um lindo texto
E eu ainda me surpreendo com a maravilha que é lê-los. Parabéns pelo texto querido sábio. Você é quase um guru na vida dessa doce iniciante no mundo mágico da literatura.
Bom, sem mais encheção de linguiça ouso dizer que as coisas "velhas" são tão kitsch... o que seria de nós sem as lembranças do singelo pinguin de geladeira?
Todo mundo teve um, ou pelo menos invejou o do vizinho.

(risos)

Tchau.;*

February 25, 2008 at 4:24 PM  
Blogger Eu said...

Velho. Meu bem, vc está ficando velho, é isso.
E daí, quando o fato se dá, a gente fica torcendo pra não ser substituído por uma escova de dente mais nova e tecnológica..
É isso. Então, te desejo ser uma bic, ou um extintor... Como desejo a mim mesma (que bujão de gás, esse, eu não quero ser nem a pau)...
Bjs

February 26, 2008 at 10:08 AM  
Blogger :D said...

será mesmo que nunca vão mudar as bics ? espero que não , porque normalmente quanto mais essas coisas mudam , piores elas ficam .
não se tem mais interesse em qualidade .
isso deprime.

February 26, 2008 at 2:26 PM  
Blogger Gabriela said...

This comment has been removed by the author.

February 27, 2008 at 6:16 AM  
Blogger Gabriela said...

This comment has been removed by the author.

February 27, 2008 at 6:16 AM  
Blogger Gabriela said...

realmente ...nesse mundo contemporâneo os produtos são feitos para durar pouco e consequentemente as pessoas terem a "necessidade" de comprar cada dia mais e mais ....

February 27, 2008 at 6:16 AM  
Blogger Nathalia Ramirez said...

talvez eu também seja anacrônica, pois prefiro as coisas como eram antes, e temo que as atuais se modifiquem, agora imagine as coisas mais práticas, como por exemplo uma bic que desenhe corações, estrelas, pilhas (nao tao práticas assim, pois ninguém precisa desses desenhos) enfim, sentiríamos falta... pensando bem, as pessoas sao anacronicas mas tentam ser práticas ao mesmo tempo.

February 27, 2008 at 8:11 PM  
Blogger Ana Marocas said...

Lembrei-me do Leite de Rosas. Tão ardido, fedido e...IGUAL. A embalagem é um artigo de museu!Mas é tão simpática...E repare no endereço. Imagino que seja o mesmo de quando começou a ser fabricado.Aliás os dermetologistas desaprovam totalmente seu uso, o que eu discordo. Não há sensação melhor do que a de ver o algodãozinho saindo sujo. O duro é aguentar a catinga que fica depois...

February 28, 2008 at 11:43 AM  
Blogger Bombom said...

Acho que me identifiquei com esse texto, por cada linha deste texto. Um dos prazeres da vida para mim são as pequenas rotinas e estabilidades....adoro vivê-las e falar delas. As novas gerações não nos permitem isso!

February 28, 2008 at 12:17 PM  
Blogger Lady C said...

This comment has been removed by the author.

February 28, 2008 at 1:08 PM  
Blogger Lady C said...

se o mundo é sincrônico eu não sei. A única coisa que posso atestar é que, saber que coisas antigas resistem a velocidade do contemporâneo, tornam esse mundo meu mundo.
Se não fosse a caneta BIC, o butijão de gás e outras coisinhas mais, eu acordaria de manhã num mundo totalmente diferente do de ontem, cheio de novas bugigangas que fariam coisas inimagináveis. Enlouqueceria. Mas quando chego naquele lugar amedrontador, cheio de novos utensílios, vejo sobre a mesa uma BIC, me sinto em casa, na casa dos meus pais, na casa dos meus avós.

Texto maravilhoso Antônio,
como sempre...
foi um raro prazer encontrar, navegando pela net, teu blog.

February 28, 2008 at 1:13 PM  
Blogger Mel said...

Mas depois você achou outras cuecas perfeitas? xD

March 2, 2008 at 1:00 PM  
Blogger Srita. Holzwarth said...

Esse texto me lembrou um documentário sobre as sete maravilhas do mundo que, desde o Antigüidade, vêm sendo listadas. No filme, o pesquisador (que a minha memória deletou sem maiores porquês) faz uma comparação entre as maravilhas do Mundo Antigo e as do Mundo Moderno: as primeiras eram feitas para a eternidade, para que o homem permenecesse vivo após a sua morte, como as Pirâmides do Egito. Hoje em dia, no entanto, maravilha é uma coisa relâmpago, obsoleta já durante a criação, como arranha-céus que são construídos todos os dias, sempre para superar o anterior e com prazo para ser superado bem curto.
Das constuções aos relacionamentos (passando pelas escovas de dentes) nada mais é feito para durar...
:/

**Só li esse texo, mas gostei bastante!!

March 3, 2008 at 2:45 PM  
Blogger Tayná said...

Vou ser parcialmente sincera com você (se eu for totalmente você há de se assustar), a beleza, a delicadeza e a simplicidade complexa de seus textos é, de fato, inebriante.
Estou apaixonada pela sua forma de expor suas idéias.
Gostei muito de tudo que li aqui no seu blog (e posso afirmar que não foi pouca coisa).
Espero, um dia, como aspirante a jornalista que sou, possa ter um pouco de seu brilhantismo.
Um grande abraço!

March 4, 2008 at 11:24 AM  
Blogger Nathália Affel said...

levando em consideração a minha capacidade de não encontrar as coisas na nossa tão querida internet, até que não demorei tanto pra te char. enfim, finalmente estou aqui. sempre quis ler teu blog e teus outros textos. não só os que acostumei a ler nas colunas da CAPRICHO. =)

Vou colocá-lo no link do meu blog. para que eu possa ler todos os seus posts.

Ah, ganhei teu livro "estive pensando" em uma promoção relâmpago da revista!
Fiquei super feliz, estou louca para ler

é isso ai.
beijos

March 7, 2008 at 5:29 PM  
Blogger Marina Melz said...

a sincronia do mundo fez com que nós, anacronicos natos, aprendessemos a conviver e a observar. tá adicionado no blog aqui de Blumenau (SC).

March 10, 2008 at 8:25 AM  
Blogger Mariana Marchesi said...

Oh, sim, as cuecas. Aliás, todas as roupas, especialmente a roupa íntima. Como assim eles pensam q podem tirar alguma coisa de linha sem consultar ninguém? Quem é q decreta q eu não posso mais comprar, no caso, o modelo ideal de sutiã? Nada mais autoritário e injusto.

March 10, 2008 at 11:47 AM  
Blogger Juliana Cimeno said...

Algumas coisas não ficam obsoletas, assim como as bics, veja, ainda funcionam perfeitamente bem com a nossa necessidade, são baratas e "pops"
Já cuecas e roupas, como pode ver, segue a tendência da data de validade, e estou grata por isso, imagine, se nos dias de hoje, ainda usássemos aquelas estranhas calças de pezinhos dos anos 80!
Ou cirolas!
Pra mim, nostalgia com estampas já é o bastante!


ps: adoro seus textos! de verdade, costumava (quando ainda ganhava mesada) comprar capricho só pelos seus textos.

March 10, 2008 at 9:17 PM  
Blogger Jordan Duailibe said...

Sinto saudades daquela demanda gigantesca da compra de Kichute,é certo que não deixaram de fabricá-lo,mas tb é raro vc vê-lo com alguém.Aquele cadarço gigantesco,que usávamos entrelaçados na canela,pra jogar futebol ou ir à escola mesmo.Também sinto saudades daquelas fichas que comprávamos pro Orelhão.Aquilo fazia um barulho doido nas calças escolares.E quem não lembra do pogobol,que nos dava bolhas imensas na altura do tornozelo,ou quando alguém se atirava na piscina, depois de dar vários pulos com o bicho até chegar à beirada.Caí várias vezes de BMX, carregando nos joelhos,as cicatrizes da artimanha.E nunca esqueci o arqueamento de meus lábios,ao ver ali na minha frente, às sete da manhã;um Odyssey da philips novinho em folha com o cartucho do jogo come come.Nostalgia pura se escorrendo pelos dedos...

March 12, 2008 at 12:01 PM  
Blogger Renatcheinha said...

nada como as coisas de antigamente...mais divertidas, mais práticas e mais duráveis!

March 12, 2008 at 5:41 PM  
Blogger meu reggae é roots said...

o que eu mais sinto "saudade" é de não ter tempo pra viver seilá hoje temos tempo para tudo ... menos tempo pro amor e para as amizades sinceras ... acho que hj o homem vive de acordo com a suas ambições e não mais com o que ele relmente sonha !
Fazia tempo que eu não lia o seus textos que saudades .. tenho todos os seus textos publicados na capricho !

March 13, 2008 at 6:58 AM  
Blogger Gabriela said...

eu ODEIO você antonio prata ...

por escrever tão bem , mas demorar tanto para publicar no seu blog ...

manda seu pai postar , sua vizinha ,sua namorada ......pois a espera de você postar é IRRITANTE!!!

March 13, 2008 at 7:28 AM  
Blogger Rodrigo said...

Dá um ligue nessa Comu do orkut, Antonio.
Tem a ver (E MUITO), com você.


http://www.orkut.com/Communities.aspx


PS: Adorei o post.

March 13, 2008 at 3:18 PM  
Anonymous Cami said...

Lindo post.A capacidade que você tem de falar sobre coisas simples e torná-las não tão simples assim me encanta *-*

March 16, 2008 at 12:18 PM  
Blogger joolyn said...

Muito razoáveis suas considerações. Uma dica para evitar ou pelo menos minimizar as consequências desses desaparecimentos inexplicáveis de coisas que gostamos: compre mais de um, quantos puder. Sapatos, por exemplo. Difícil gostar de novidades. Compro três do mesmo par que gosto a cada vez, e vou usando (se acabarem com o modelo, volto aos chinelões de couro macio). Há anos o visual e o conforto são os mesmos. Por outro lado, as escovas de dente melhoraram muito (embora não valham um rim saudável) ... hehehe

Abraços,
J.

August 27, 2008 at 10:46 AM  
Anonymous Alix Gupi said...

Eu amo as escovas de dentes contemporâneas. Quanto mais ecléticas, borrachudas, futuristas e bolotentas, mais eu gosto. Agora foi o fim do mundo pararem de fazer o Mirabel, ah foi.

April 27, 2010 at 11:20 AM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home